sábado, 21 de dezembro de 2013

Temos mais de 500 opções de cursos online

Cursos Online
Cursos

CONFIRA OS 12 MELHORES CURSOS QUE SEPARAMOS PARA VOCÊ!

Cursos Para Seu Desenvolvimento
Curso de Inglês Básico I O objetivo deste curso é ensinar conceitos sobre verb to... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de Biologia 1 O objetivo desse curso é ensinar sobre saúde, vacinas e... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de Física 1 O objetivo desse curso é ensinar noções e conceitos de... R$ 79,90 Quero este Curso
Curso de Biologia 2 O objetivo desse curso é ensinar sobre a engenharia... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de Geografia 1 O objetivo desse curso é ensinar sobre a globalização, as... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de Física 2 O objetivo desse curso é ensinar sobre o trabalho, a... R$ 79,90 Quero este Curso
Curso de Geografia 2 O objetivo desse curso é ensinar sobre a demografia,... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de Química 1 O objetivo desse curso é ensinar sobre os estados físicos... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de Química 2 O objetivo desse curso é ensinar sobre a tabela... R$ 79,90 Quero este Curso
Curso de Inglês Intermediário I O objetivo deste curso é ensinar sobre Simple present,... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de História 1 O objetivo desse curso é ensinar sobre as rebeldias e as... R$ 79,90 Quero este Curso Curso de Física 3 O objetivo desse curso é ensinar sobre o calor, o... R$ 79,90 Quero este Curso

Temos mais de 500 opções de cursos. Clique aqui e encontre o seu!

CONFIRA MAIS CURSOS POR ÁREAS

 
3D e Games
Administração
Ambiental
Animações e Design
Biomedicina
Comunicação, marketing e vendas
Concursos Públicos
Contabilidade
Cotidiano
Cursinho Pré-Vestibular
Direito
Educação e Pedagogia
Educação Física e Esporte
Enfermagem
Ensino Religioso
Estética e Beleza
Evento, Turismo e Hotelaria
Farmácia
Finanças
Fisioterapia
Fonoaudiologia
Gestão e Liderança
Idiomas
Informática
Iniciação Profissional
Medicina
Medicina Alternativa
Música e Instrumentos
Nutrição
Odontologia
Programação e Desenvolvimento
Psicologia
Recursos Humanos
Reforço Escolar
Veterinária
         
REDES SOCIAIS COMPARTILHE COM UM AMIGO SITE 100% SEGURO TELEFONE 0800-932-0800
Caso não queira mais receber os avisos de promoções, clique aqui para remover.

http://www.iped.com.br/afiliados/iframe/xml/727290



domingo, 1 de dezembro de 2013

Os novos trombones da direita

Nos dez anos do PT no poder, uma turma de intelectuais provocadores roubou da esquerda a supremacia no terreno da polêmica.


debate_paulo (Foto: Diego Vara/Ag. RBS/Folhapress)

Em novembro deste ano, a esquerda brasileira vai comemorar os dez anos da primeira eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República. Precisamente quando está prestes a celebrar bodas de alumínio no poder, a esquerda está levando uma rasteira numa arena onde costumava exercer uma proverbial supremacia: o debate de ideias com impacto na opinião pública. Hoje, quem canta de galo nesse terreiro, e com ironia aguçada, são intelectuais mais conectados com conceitos e valores ditos “liberais” e “conservadores”, que, em outras épocas, viviam confinados a recessos de pouca audiência. Enquanto a oposição aos governos petistas está mais esquálida que nunca no Congresso, esses intelectuais chamam a atenção por espicaçar Lula, a presidente Dilma Rousseff, a esquerda ou tudo o que remotamente se convencionou chamar de “politicamente correto” ou “progressista”.

debate_luiz (Foto: Moacyr Lopes Junior/Folhapress)

É uma turma de origem eclética, formada por pessoas da estirpe do historiador Marco Antonio Villa, dos filósofos Luiz Felipe Pondé e Denis Lerrer Rosenfield, do sociólogo Demétrio Magnoli e do economista Rodrigo Constantino. Nela, cabe também o português João Pereira Coutinho, cientista político. Num país onde assumir-se de direita ainda carrega certo estigma (ecos do regime militar) e não se encontra um político ou partido com essa linha, alguns deles não se pejam de assumir a coloração ideológica. “Não vejo problema nenhum em ser chamado de direitista. Se direita no Brasil significa a defesa da liberdade pessoal, do estado e do direito de propriedade, sou de direita, sim, com muito orgulho”, disse, numa entrevista, Rosenfield, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rosenfield é um especialista em atacar sem-terra, quilombolas, índios, ambientalistas e todos que relativizam o direito à propriedade, que vê como “fundamento de toda sociedade civilizada”.

debate_joao (Foto: Diego Vara/Ag. RBS/Folhapress)

Colaboradores reguladores dos grandes jornais, esses intelectuais são às vezes comparados aos pensadores neoconservadores que se destacaram nos Estados Unidos, por rejeitar as teses de liberalismo social, relativismo moral e contracultura, que emergiram durante os anos 1960. No Brasil, a repercussão alcançada por eles – e um certo eclipse das vozes “progressistas” – se dá, porém, num contexto diferente. “Acontece que os intelectuais da área governista basicamente concordam com tudo o que está aí. Não criticam porque subscrevem”, diz Magnoli. Por outras palavras, a esquerda teria passado a assinar embaixo do situacionismo – e assim é natural que se destaque quem desafina no coro dos contentes. Ainda mais ácido, o historiador Marco Antonio Villa diz que a preeminência alcançada pela tropa na qual ele figura se deve ao panorama geral da intelectualidade brasileira – desalentador, segundo sua descrição. “Com a redemocratização, os intelectuais foram se afastando. Contam-se nos dedos aqueles que têm uma presença ativa. Pode ser que os intelectuais chapa branca estejam satisfeitos recebendo alguma prebenda estatal. Pode ser também que não disponham de argumentos para travar um debate aberto”, diz Villa.

debate_rodrigo (Foto: Marcos Alves/Ag. O Globo)

Mais um sintoma de que a maré da intelligtensia brasileira está virando para estibordo é o recente lançamento do livro O guia politicamente incorreto da filosofia, de Pondé. Ele merece ser lido por várias razões – algumas delas talvez não sejam exatamente aquelas com que seu autor sonhava. De bate-pronto, seu título chama a atenção por apregoar a condição de politicamente incorreto com o descaramento de uma bandeira das tíbias cruzadas no mastro de um navio pirata. Ao apregoado voto de silêncio da esquerda, Pondé responde com um ruidoso chumbo grosso. Na capa do livro, ele aparece desinibidamente entre um escrete de pensadores, chupando filosoficamente seu charuto. Logo nas primeiras páginas, o autor, um faixa preta do bate-boca, escreve: “Este livro é movido por uma intenção específica: ser desagradável para um tipo específico de pessoa. Se você é uma delas, tenha em mim um fiel e devoto inimigo. Desejo sua extinção”.

Pondé teve precedentes tão ou mais heterodoxos como o americano Henry Adams, segundo o qual “a filosofia consiste em respostas ininteligíveis para problemas insolúveis”. O britânico Bertrand Russell (prêmio Nobel de Literatura de 1950, conhecido pelas ideias pacifistas e socialistas) assinou uma história da filosofia, de Pitágoras a Bergson, em 1.000 páginas e lá vai pedrada – mas nada abstrusa. O livro de Pondé mete o bedelho em tudo e mais alguma coisa: baianidade, turismo, beleza feminina. Soa mais aos moralistas do século XVII, aliás citados por ele, do que a um ideólogo sistemático. Volta e meia, destila apetitosos epigramas em forma de impropérios. “Outro tipo de mentiroso e politicamente correto é o artista. As artes plásticas contemporâneas ajudam muito, na medida em que gente que não sabe desenhar pode ser artista figurativo.” E se demarca de caronas equivocadas: “Reduzir a crítica ao politicamente correto ao ‘direito’ de contar piadas de negros e gays (piadas assim nada mais são do que falta de educação doméstica) é simples mau-caratismo”.

debate_demetrio (Foto: divulgação)

Sua marca registrada, a irreverência, é uma grife dos novos polemistas de direita. Eles dão um boi para entrar numa briga, e uma boiada para continuar nela. Se, eventualmente, a truculência retórica sacrifica o rigor conceitual, paciência. Villa, professor da Universidade Federal de São Carlos, é autor de obras como O Partido dos Trabalhadores e a política brasileira (1980-2006): uma história revisitada. A palavra-chave aqui é “revisitada”, no sentido de uma revisão crítica a pente-fino. Villa se tornou uma espécie de nêmesis do lulismo 24 horas por dia. “Luiz Inácio Lula da Silva não é um homem de palavra. Proclamou diversas vezes que, ao terminar seu mandato presidencial, iria se recolher à vida privada e se afastar da política. Mentiu. Foi mais uma manobra astuta, entre tantas que realizou, desde 1972, quando chegou à diretoria do sindicato de São Bernardo, indicado pelo irmão, para ser uma espécie de porta-voz do Partidão (depois de eleito, esqueceu do acordo)”, escreveu Villa.

Os “neocons” à brasileira não restringem seus pitacos a questões macroeconômicas ou macropolíticas. Também palpitam sobre moral, costumes e questões sociais. Vários deles comungam a mesma aversão aos discursos das “minorias” (e exigiriam as aspas). Pondé, que nunca pisa em ovos, pisou nos calos de muitos leitores da Folha de S.Paulo, onde publica uma coluna semanal, com esta frase: “A prostituta é a primeira e mais sublime vocação de toda mulher”. Choveram cartas de protesto à redação. Sua resposta foi apagar o fogo com gasolina. “Por que esse horror da prostituta como um dos arquétipos da mulher? Qual a mulher que gosta de sexo que nunca vestiu ‘a fantasia da sua prostituta’ para gozar o gozo da promíscua que, por ser promíscua, é a especialista em enlouquecer?” E a última estocada, com toques do falecido cantor Wando: “Hoje escrever como homem é raro, porque homens estão fora de moda (sim, cara leitora, eu sei que você sofre calada com isso à noite, sozinha na cama)”.

A mensagem

Para os cidadãos
Com o PT no poder, os intelectuais que chamam a atenção são os que desafinam o coro dos contentes 

Para os acadêmicos
Os novos polemistas romperam com a pasmaceira do
bom-mocismo na vida intelectual   

debate_texto Pereira Coutinho, que vive numa cidadezinha perto do Porto, em Portugal, constitui outro exemplo do protagonismo dos novos polemistas. Ele diz que não pega no pé de homossexuais – até porque nunca viu nenhum. “Não conheço homossexuais. Amigos meus dizem que existem. Outros dizem que são. Coço a cabeça e investigo: dois olhos, duas mãos, duas pernas. Um ser humano como outro qualquer. Mas eles recusam pertencer ao único gênero que interessa: o humano. E falam do ‘homossexual’ como algumas crianças falam das fadas ou duendes. Não existe o ‘homossexual’. Existem atos homossexuais. E atos heterossexuais. Eu próprio, confesso, sou culpado de praticar os segundos (menos do que gostaria, é certo)”, escreveu Coutinho, em um artigo de 2007.

Crítico do fundamentalismo islâmico, Coutinho espinafrou recentemente o poema panfleto do alemão Gunter Grass, prêmio Nobel de Literatura, que apontou o Estado israelense como a maior ameaça à paz mundial. “O fracasso político, econômico e cultural do Oriente Médio, esse oceano de 1 bilhão de muçulmanos, não se explica com uma gota de 5 milhões de judeus. Explica-se pelo autoritarismo, pela ignorância e pelo sectarismo de seus líderes”, diz Coutinho. Segundo Coutinho, há uma tentativa de certos setores da intelectualidade de vender “a ideia politicamente correta de que o politicamente incorreto é o novo politicamente correto”. “Não é”, diz ele. “O politicamente correto, como projeto linguístico e cultural que tenta apagar qualquer referência discriminatória/ofensiva/preconceituosa sobre o Outro, continua a ser uma forma tirânica de vandalismo intelectual e moral. Enganam-se os que pensam que é preciso usar trapos, viajar de camelo e viver no deserto para ser um fanático.”


Como alguns de seus colegas, o economista Rodrigo Constantino, influenciado pelos pensadores austríacos Ludwig von Mises e Friedrich Hayek, apóstolos do livre mercado, também já bateu de frente com reivindicações “minoritárias”. Ao saber que o Conselho Estadual dos Direitos dos Negros pretendia enviar representantes à Feira Hippie de Ipanema, no Rio de Janeiro, para apurar a diferença de preço entre bonecas de pano brancas e negras (aquelas custavam R$ 85 e estas R$ 65), Constantino surtou. “Essa gente racista não tem limite do ridículo! Não estou falando da vendedora, claro, mas sim dos patrulheiros do politicamente correto. Querem revogar até as leis de oferta e demanda, em nome da ‘igualdade racial’. E dane-se que as bonecas negras tenham demanda, e por isso um preço menor. Quem liga para esses detalhes e para a liberdade de escolha dos indivíduos? Resta esperar pelos próximos passos. Se o boneco do Ken (o namorado efeminado da Barbie) for mais caro do que o boneco do Falcon (para quem tem mais de 30 anos, o.k.?), então é preconceito contra os barbudos.”


Magnoli é doutor em geografia humana pela Universidade de São Paulo (USP), membro do Grupo de Análises de Conjuntura Internacional (Gacint), colunista de O Estado de S. Paulo e O Globo e comentarista da GloboNews. Nos tempos de estudante universitário, militava numa tendência estudantil de extrema esquerda, a Liberdade e Luta (Libelu). Tornou-se um dos mais tenazes adversários da adoção de cotas raciais pelas políticas públicas. Ele afirma que essa posição não é politicamente incorreta. “Desde quando é politicamente incorreto considerar que os negros, por exemplo, são pessoas iguaizinhas às outras – logo, dispensam discriminações, positivas ou negativas?”, diz Magnoli. “Aliás, a incorreção política é uma questão antiquadamente latino-americana. O principal motivo desse anacronismo é que os países latino-americanos, com exceção de Cuba, não passaram pela experiência do socialismo real. Ao contrário dos ex-satélites soviéticos que não querem ver o comunismo nem pintado.”

Será que, em pleno século XXI, uma dicotomia ideológica tão maniqueísta como “direita” e “esquerda” continua com o prazo de validade em dia? Esse dualismo veio ao mundo na Revolução Francesa, há mais de 200 anos (a roda já tinha sido inventada, mas o pneu ainda não). Certo, Simone de Beauvoir resmungou que “quem diz que já não existem direita e esquerda é porque é de direita” (ela própria era uma canhotinha de ouro). No entanto, para efeitos práticos tal antinomia não estaria tão fossilizada quanto aquela entre monarquistas e republicanos? Surpreendentemente ou não, os dois lados da barricada parecem achar que esse Tratado de Tordesilhas ideológico continua com o prazo de validade em dia. Ainda que com matizes.

Uma característica clássica que contrasta liberais e conservadores dos progressistas é a primazia que aqueles dão à liberdade, e estes últimos à igualdade. Para Rodrigo Constantino, é preciso ir com mais vagar. “Esta definição simplista funciona melhor se restrita à economia”, diz Constantino. “A distinção entre liberdade e igualdade serve para dividir conservadores e progressistas em dois grandes grupos. Mas tem limitações. Os conservadores nem sempre se preocupam com algumas liberdades individuais de âmbito social. Por exemplo, tendem a condenar a legalização de drogas leves, como a maconha. Além disso, há uma igualdade que conservadores e liberais valorizam muito: aquela perante as leis.”

A virtude dos novos trombones da direita é evitar escrupulosamente o sonolento e borocoxô jargão acadêmico. Em seu livro, ao ecoar ensaístas como Harold Bloom (e sua crítica à “Escola do Ressentimento”), Pondé dá cornetadas no academicismo das universidades brasileiras. “Na universidade, a mediocridade vem vestida de burocracia da produtividade e corporativismo de bando”, diz. Seu tom, apinhado de “pitis” retóricos (que lembra os chiliques de Paulo Francis), é de um cronista flanando nas frases, não de um catedrático numa aula vetusta. “O mundo virou um grande churrasco na laje, e até os aeroportos parecem rodoviárias.”

Mesmo correndo o risco da superficialidade, os novos polemistas romperam com a pasmaceira do bom-mocismo que presidia a vida intelectual brasileira. Debate sem polêmica é compadrio. Já dizia o filósofo grego Aristóteles que “inteligência é insolência educada”. Nem “conservador” nem “progressista” deveriam ser anátemas políticos – são visões de mundo reciprocamente necessárias a uma sociedade democrática e à alternância no poder. Ninguém tem a ganhar com monólogos que pregam para os já convertidos. E, acima de tudo, se todo mundo pensa igual, é porque ninguém está pensando.


Por: PAULO NOGUEIRA - O escritor e jornalista luso-brasileiro Paulo Nogueira é autor dos romances O suicida feliz e Transatlântico  - http://revistaepoca.globo.com/ideias/noticia/2012/04/os-novos-trombones-da-direita.html


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

ELA VOLTOU...

mentira dívida

A DIVIDA DO BRASIL EM 2013

Olha a bomba que vai estourar lá por 2015! Só falta a CEF e o BB darem o cano na hora da quebradeira!Leiam e observem a análise ponderada muito bem explicada pelo economista Waldir Serafim.

SAIBA O QUE LULA FEZ DE 2002 A 2010 COM A "DIVIDA INTERNA/EXTERNA" DO BRASIL.

Você ouve falar em DÍVIDA EXTERNA e DÍVIDA INTERNA. Em jornais e TV e não entende direito vamos explicar a seguir:

DIVIDA EXTERNA é uma dívida com:

- Bancos, Mundial, o FMI e outras Instituições, no exterior em moeda externa.

DIVIDA INTERNA é uma dívida com:

- Bancos em R$ (moeda nacional) no país. Então, quando LULA assumiu o Brasil,

Em 2002, devíamos:
Dívida externa = 212 Bilhões
Dívida interna = 640 Bilhões
Total DA Dívida = 851 Bilhões

Em 2007 Lula disse que tinha pago a dívida externa. E é verdade, só que ele não explicou que, para pagar a dívida externa, ele aumentou a dívida interna:
Em 2007 no governo Lula:
Dívida Externa = 0 Bilhões
Dívida Interna = 1.400 Trilhão
Total DA Dívida = 1.400 Trilhão

Ou seja, a Dívida Externa foi paga, mas a dívida interna quase dobrou. Agora, em 2010, você pode perceber que não se vê mais na TV e em jornais algo dito que seja convincente sobre a Dívida Externa quitada. Sabe por que?

É que ela voltou...

Em 2010 no governo Lula:
ü Dívida Externa = 240 Bilhões
ü Dívida Interna = 1.650 Trilhão
ü Total DA Dívida = 1.890 Trilhão

Ou seja, no governo LULA, a dívida do Brasil aumentou em 1 Trilhão!

Daí é que vem o dinheiro que o Lula está gastando no PAC, Bolsa família, bolsa educação, bolsa faculdade, bolsa cultura, Bolsa para presos, dentre outras mais bolsas... E de onde tirou 30 milhões de brasileiros da pobreza! E não é com dinheiro do crescimento, Mas sim, com dinheiro de ENDIVIDAMENTO.

Compreenderam?

Ou ainda acham que Lula é mágico?


Quer mais detalhes, sobre dívida interna e externa do Brasil? Acesse o site:
http://www.sonoticias.com.br/opiniao/2/100677/divida-interna-perigo-a-vista

Os brasileiros, vão pagar muito caro pela atitude perdulária do governo Lula, que não está conseguindo pagar os juros dessa "Dívida trilhardária" tendo que engolir um "spread" (taxa de Juros) muito caro para refinanciar os "papagaios", sem deixar nenhum benefício para o povo, mas apenas DIVIDAS A PAGAR por todos os brasileiros, que pagam seus impostos!

A pergunta que não quer calar é:
Dilma Vai continuar esta gastança?

Para maiores esclarecimentos, leia artigo de Hélio Fernandes no site: http://www.tribunadaimprensa.com.br/?p=6379

CADA cidadão brasileiro tem uma dívida, feita pelo Lula, de quase 1.0 MILHÃO DE REAIS.

http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/08/ela-voltou.html


Broche folheado a ouro


terça-feira, 18 de junho de 2013

SOBRE OS PROTESTOS QUE SE ESPALHAM PELO BRASIL

Imagem1

Pela autonomia dos estados!

Pela autonomia legislativa, tributária, judiciária e administrativa dos estados – Descentralização dos Poderes!

NOTA OFICIAL

SOBRE OS PROTESTOS QUE SE ESPALHAM PELO BRASIL

O FEDERALISTA, partido político na defesa inarredável da Liberdade, dos Direitos Civis e Naturais, nos quais se inclui o da Propriedade, da Ordem Institucional e pela Descentralização plena dos poderes, com a autonomia aos estados e municípios, diante da onda de protestos pelo Brasil, vem de público declarar:

1. Todo protesto popular que demonstre insatisfação fundamentada objetivamente deve ser respeitado, desde que tais atos respeitem o espaço e a propriedade alheios;

2. A onda de protestos que teria se iniciado pela estatização do transporte público de maneira que se implante o “passe livre” e que já se estende por dezenas de cidades no País, enseja preocupação pela “explosão de energia popular” com a mistura de inúmeras insatisfações em relação aos problemas do País.

3. O espalhamento desses protestos nos quais se misturam também, provocadores profissionais, arruaceiros, “rebeldes sem causa”, dentre outras pessoas portadoras de inconsequências causadas pelo regime de impunidade que parte desde os Três Poderes, pode levar o País a uma situação que justifique a cessação das garantias constitucionais, promovida pelo Governo Central, cuja permanência poderia então se tornar indefinida.

4. Os Federalistas se solidarizam com os protestos contra a corrupção, os desmandos, a malversação dos recursos públicos, o clientelismo político, a impunidade parlamentar e dos “amigos do rei”, mas conclamam para que defendam a ordem, identificando e denunciando pontuadamente tais inimigos da democracia, incluindo autoridades que eventualmente ultrapassem o limite das suas atribuições.

5. Conclamam ainda para que, mesmo que não se concorde com muitos dos desmandos que ocorrem por conta do atual modelo equivocado de organização do Estado Brasileiro, o verdadeiro causador de todos os problemas nacionais e individuais, que se defenda o ultimo baluarte da frágil democracia brasileira e que se mantenha o respeito às Instituições de uma forma geral. Há que se separar a maior parte das Instituições das pessoas que nelas estão. São as instituições, ainda que precisem de reformas, que garantem o pouco que resta do Estado de Direito, único meio de se ter alguma garantia constitucional.

6. A manutenção da ordem institucional, ainda que precária, nos dará direito de exigir transformações orientadas e conduzidas dentro do processo democrático, em busca da Nação ideal para todos e não apenas para alguns que podem estar manipulando todo esse processo.

Brasília, DF, 17 de junho de 2013

Partido Federalista
Thomas Korontai
Presidente Nacional

http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/06/sobre-os-protestos-que-se-espalham-pelo.html

quinta-feira, 13 de junho de 2013

O “NÃO ME TOQUES” PARTIDÁRIO A SERVIÇO DE QUEM TOCA O PODER

Pela autonomia dos estados!

Pela autonomia legislativa, tributária, judiciária e administrativa dos estados – Descentralização dos Poderes!

bandeira oficial Artigo adaptado e revisto da Carta Mensal publicada em Dezembro/2008. Thomas Korontai*

“A reatividade sem objetividade ou fundamento lógico tem o mesmo resultado que combater as chamas de um incêndio, sem atacar a base do mesmo”

A todos que se afastam da política, que se declaram “apolíticos” quero propor uma análise desse “não me toques” e para onde isso pode nos levar. O afastamento progressivo da maior parte da Sociedade da política é algo sem precedentes no País. Se o voto fosse facultativo, e talvez por isso não seja, seria um vexame mundial, provavelmente. Já vi estatísticas que mostram que 80% dos eleitores não sairiam de casa para votar. O volume de abstenções representado pelos votos nulos e brancos já chega à casa dos 45% fácil. Muita gente descobriu que é mais fácil e menos atentatório à sua dignidade pagar a multa de R$ 3,00 diante da obrigação de votar, sob pena de represálias do Estado. E chamam isso de democracia...

E o que temos? A maioria absoluta nem se lembra em quem votou na última eleição, exceto para presidente e governador. E querem que o País se arrume... Lamento informar, mas  isso não vai ser possível considerando a manutenção do modelo equivocado de País que temos. Não tem mágica que arrume. Com todo respeito que tenho por vários políticos, todas as 30 legendas políticas só têm uma proposta: ficar no poder, na linha de frente ou nele encostado. Custe o que custar – para a Nação, obviamente. Aliás, essa é a opinião dominante de 99% da Sociedade Brasileira.

Esse quadro é excelente para quem está no poder. Há cada vez mais evidências de que os atuais integrantes do Governo Federal, além de muitos do Legislativo Federal, são membros de um audacioso projeto de poder para toda a América Latina – o Unasul está aí para referendar isso, resultado do Foro de São Paulo, criado e integrado por gente como Fidel Castro, Farcs, guerrilheiros de “movimentos sociais” como os Sem Terra, Sem Casa, os Sem Rumo e os Sem Vergonha, dentre outros, incluindo, integrantes de vários partidos brasileiros.

E isso não é de hoje. Muitas das medidas, ou falta delas, incluindo a libertinagem da criação de enclaves indígenas dentro do próprio Brasil, já vêm de longe, antes do atual governo. Teoria da Conspiração? Bem, é melhor observar os fatos da História mais recente, de uns 20 anos para cá, juntá-los e montar o quebra cabeça. Quer concordemos ou não, as peças se encaixam. Eis algumas delas:

1. Fragmentação do Território Federal – casos como Raposa do Sol, grupos indígenas do oeste do Mato Grosso, quilombolas, campesinos, sem terra... tudo garantido por uma Constituição que impôs a “função social da propriedade”, conceito que pode ser interpretado de mil maneiras, todas péssimas, pois propriedade só tem um conceito correto: propriedade.

2. Destruição do tecido social – cartilha oficial que ensina o uso de drogas, apoio oficial à prostituição, condenação do capitalismo e ufanização de déspostas nas escolas, progressiva eliminação de fatos históricos brasileiros, criando um vazio no passado e eliminando referências de heróis brasileiros, foco forçado nos esportes e música com a expansão da idolatria, proteção e incentivo à homossexualização – com a perseguição contra o direito de não concordar com isso - criação de cotas raciais e sociais dividindo e subdividindo um povo que estava cada vez mais miscigenado e unido, banalização de valores éticos e morais, destruição da família, desmoralização das instituições com a expansão e descaramento da corrupção, desmandos e descasos, dificuldades crescentes causadas pela burocracia para quem produz, ampliação do ócio incentivado (poderia se dizer, “vagabundagem” mesmo) através dos chamados “programas sociais” e “redes de proteção”, criminalidade e impunidade, enfim, o relativismo moral;

3. Destruição da empresa – com excessos trabalhistas crescentes, burocracia estonteante, tributos que ultrapassaram o conceito de extorsão, o controle centralizado com forte apoio da tecnologia da informação por parte da Receita Federal, que elimina a autonomia de procedimentos e competitividade de estados e municípios, empurrando cada vez mais empreendedores para a informalidade e para “negócios” marginais.

4. Destruição do Indivíduo – com o modelo de educação que não educa, desde a creche, formando pessoas cada vez mais vazias emocionalmente e moralmente, treinadas para o “politicamente correto” para ampliar a patrulha social, a universidade, banalizada pelo mercantilismo subvencionado pela regulamentação centralizada, a esmagadora maioria da imprensa dominada, praticamente fechada a ideias como o federalismo – estão cavando a própria sepultura? - está se anulando o individuo. Com o cada vez mais forte controle da informação e da informatização, o Estado nos empurra para o surreal quadro antecipado pelo filme Matrix. Poucas provas disso estão nos atos da Receita Federal que já coleta informações de cartões de crédito e atividades bancária, Detrans e circunscrições de imóveis, e já está lançando uma nova carteira de identidade com chip, que deverá ser usada, depois de plenamente implantada, até para comprar uma caixa de fósforo. Logo o Estado saberá tudo e muito mais sobre cada um. George Orwell e Aldoux Huxley tinham razão?

5. Uma Carta Magda – Pois é, não temos uma Carta digna de ser Magna. Muito menos cidadã! Cerca de 2/3 do texto constitucional em vigor desde 1988 não valem nada, pois não foram regulamentados. O restante, 1/3, com raríssimas exceções, não presta. Com 66 emendas (não sei de alguma nova?) inclusive nas Disposições Transitórias, e mais de quatro milhões de normas legislativas editadas desde 88, temos um desordenamento jurídico, subjugado à “lei da falta de lei”, ou seja, tudo que não estiver prescrito positivamente (que significa dizer o que pode ou não pode), está livre para ser feito, razão de tanta impunidade. Advogados não fazem nada mais do que sua obrigação, assim como, os juízes: cumprir o que está escrito com base no que não está, ou, pior, na confusão que se resolve na base do quem pode mais chora menos. Por falta de um modelo consuetudinário de justiça e descentralizado para diminuição de instâncias, o Judiciário se transformou apenas em uma indústria de petições. E a policia se limita ao espetáculo, nominando operações, pois, com raras exceções, quase sempre focadas na parte mais fraca, ninguém fica preso. Passado o show, a vida segue.

A ideia subjacente dessa “engenharia destrutiva” parece ser “unir” os povos latino-americanos para uma grande região que substituiria, já dentro de um novo modelo de controle social, um novo modelo de totalitarismo, implantado aos poucos e de forma indolor, as fronteiras por um único país. Repito a pergunta: teoria da conspiração? Repito a resposta: junte os pontos, os fatos que citei e todo mundo sabe e conclua você mesmo para onde estamos indo. Não importa se isso tudo tem um planejamento central ou não, se tem um pequeno grupo que “mexe os pauzinhos” ou não, se tem ideologia disso ou daquilo, o que importa é que o conjunto dos fatos forma um quadro assustador. Já está assustador, quando nos damos conta, mas estamos como sapo na panela de água que vai esquentando, sem que este se mexa, até que seja tarde.

Observe, meu caro leitor, a que ponto chegamos nesse não me “toquismo” criado dentro do quadro de perversões que afastou todo mundo da politica: para se fazer uma simples palestra sobre propostas que um novo partido pretenda em uma entidade qualquer, associação, empresa, universidade, colégio, talvez até em um canil, não pode! Por que? Ah! Porque é um partido... Mas, e qual é o problema? É um partido que sequer está registrado e esse excesso de pudor não faz sentido, afinal, de dois em dois anos todos somos obrigados a votar. Alguém sabe de proibições e esse tipo de comportamento nos EUA?  Esse “não me toque” é uma das maiores bobagens que se faz no Brasil, porque o que sobra é o toque retal dos dedos dos governos em cada individuo, como nunca antes neste País. Nos EUA, jornais como o New York Times, dentre outros, se declaram abertamente para um partido ou candidato ou outro, televisões e até vários apresentadores e entrevistadores. Assim é também na Europa, em vários países. Aqui, fica a coisa hipocritamente velada...

Quer mais? Empresários brasileiros chegam a doar importâncias iguais para vários partidos, abertamente, uma coisa abominável, pois falta  coragem aos mesmos  em declararem-se, unidos, contra a carga tributária, contra a burocracia, contra o império trabalhista, preferindo fazer acordos, pedir parcelamentos e continuar a pagar a conta da extorsão continuada. O Brasil está ficando sem face, sem essência, sem rumo, porque até mesmo seus melhores pensadores abstém-se de assumir uma posição partidária, especialmente essa que traz o melhor dos modelos para o Brasil. Acham que pagar a campanha de um candidato vai resolver suas vidas, não vai, o incesto continua e quem sai perdendo é o próprio empresário e, claro, por consequência, o País, a Nação. Precisam ler um pouco mais de Bretch...

Mais e mais pessoas se afastam da política, pelo nojo que a política brasileira provocou, fazendo exatamente o jogo dos que estão no poder. Quanto mais gente se afasta da política, portanto, apenas reclamando, xingando, denunciando, etc., maior a possibilidade de um rompimento do tecido social e institucional, porque falta o conhecimento da relação de causa e efeito. É importante denunciar? Com certeza! Tem pessoas que fazem isso com propriedade, mas é preciso apontar soluções, sob pena de, na minha modesta opinião, jogar a Sociedade, revoltada, no limbo, pois sem solução, qual é a esperança?

Lembro que o Chavez se tornou um proto-ditador exatamente pela omissão de 80% da população venezuelana, incentivada pelos políticos de oposição, quando o povo deixou de votar em eleições parlamentares em 2005. Resultado: os partidários de Chavez votaram e elegeram todos os parlamentares chavistas, dando-lhe total poder de mudar a constituição, fazer leis e por aí afora. Vai levar anos, talvez dezenas, até que se consiga recuperar a bobagem que fizeram. E aqui, vamos fazer isso também? Vamos aceitar o “sifu” recomendado? A pratica do “não me toques”, o “murismo”, o “não quero me comprometer” ou mesmo “ o não posso”, deve acabar! Não fazer nada me faz lembrar que existem duas dores, a do sacrifício e a do arrependimento, uma deverá ser optada, inexoravelmente. Agir implica em sacrifício, ainda que mínimo, mas imagine, somos 130 ou 140 milhões de eleitores, não lhe parece que somos a maioria?

Bem, obviamente que não poderia deixar de propor algo objetivo. Sim, porque para deixar de ser apartidário e abandonar o “não me toques” deve existir algo que o ou a motive para isso. Minha orientação: Federalista – que defende o federalismo pleno das autonomias estaduais e municipais. Com muita objetividade e um Projeto de Nação. Federalista – www.federalista.org.br – pode ser o bom motivo para não ficar esperando por algo acontecer, porque esse algo não será bom, recomendo não arriscar...  Se você não quer que o pior aconteça por omissão ou por reativismo sem ordenamento lógico (ou, pior ainda, reativismo implantado por manipulação de outros interesses), melhor agir já...

*Thomas Korontai é Agente de Propriedade Industrial, autor de livros sobre Federalismo, articulista e fundador e presidente nacional do Partido Federalista – www.federalista.org.br

http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/06/o-nao-me-toques-partidario-servico-de.html

terça-feira, 11 de junho de 2013

Faz 100 dias que Lula afronta o Brasil decente com o silêncio sobre o caso de polícia em que se meteu ao lado de Rose

rosegate

Faz 100 dias que os brasileiros decentes foram afrontados pela descoberta do escândalo em que Lula se meteu ao lado de Rosemary Noronha.

O silêncio que vai completando 2.500 horas, insista-se, só vale para o caso Rose. Entre 23 de novembro de 2012 e 3 de março de 2013, excluídos os poucos dias em que teve de desativar o serviço de som, o palanque ambulante continuou desempenhando simultaneamente os papeis de co-presidente da República, presidente honorário da base alugada, chefe supremo da seita, protetor dos pecadores companheiros, arquiteto do Brasil Maravilha e consultor-geral do mundo.

Abençoou catadores de lixo e metalúrgicos, leu mais de 300 livros, fingiu entender o que Sofia Loren disse em italiano, avisou que os EUA nunca mais elegerão um negro se Barack Obama fizer besteira, louvou bandidos de estimação, insultou a oposição, deliberou sobre a tragédia ocorrida no jogo do Corithians em Oruro, explicou aos governantes europeus como se transforma tsunami em marolinha, recomendou a FHC que pare de dizer o que pensa. Fora o resto.

Só não falou sobre o que importa, agarrado à esperança de sobreviver sem fraturas expostas ao primeiro escândalo que não pode terceirizar. Não houve intermediários entre Lula e Rose. Não há bodes expiatórios que a apresentar. É natural que fuja como o diabo da cruz de pelo menos 40 perguntas formuladas pelo timaço de comentaristas:

1. Por que se recusa a prestar esclarecimentos sobre um escândalo investigado pela Polícia Federal que o envolve diretamente?

2. Considera inconsistentes as provas reunidas pela Operação Porto Seguro?

3. Por que disse em Berlim que não se surpreendeu com a Operação Porto Seguro?

4. Desta vez sabia de tudo ou, de novo, nunca soube de nada?

5. Onde e quando conheceu Rosemary Noronha?

6. Como qualifica a relação que mantém com Rose há 17 anos?

7. Em quais critérios se baseou para instalar uma mulher sem experiência administrativa na chefia do gabinete presidencial em São Paulo?

8. Por que pediu a Dilma Rousseff que mantivesse Rose no cargo?

9. Por que criou os escritórios da Presidência da República?

10. Continua achando necessária a existência de escritórios e chefes de gabinete?

11. Além de demitir Rose, Dilma Rousseff extinguiu o cargo que ocupava. A presidente errou?

12. Por que Rose foi incluída na comitiva presidencial em pelo menos 20 viagens internacionais?

13. Por que foi contemplada com um passaporte diplomático?

14. Quem autorizou a concessão do passaporte?

15. Por que o nome de Rosemary Noronha nunca apareceu nas listas oficiais de passageiros do avião presidencial divulgadas pelo Diário Oficial da União?

16. Quem se responsabilizou pelo embarque de uma passageira clandestina?

17. Por que Marisa Letícia e Rose não eram incluídas numa mesma comitiva?

18. Quais eram as tarefas confiadas a Rose durante as viagens?

19. Todo avião utilizado por autoridades em missão oficial é considerado Unidade Militar. Os militares que tripulavam a aeronave sabiam que havia uma clandestina a bordo?

20. Como foram pagas e justificadas as despesas de uma passageira que oficialmente não existia?

21. Por que nomeou os irmãos Paulo e Rubens Vieira, a pedido de Rose, para cargos de direção em agências reguladoras?

22. Examinou o currículo dos nomeados?

23. Por que o aliado José Sarney, presidente do Senado, convocou irregularmente uma terceira sessão que aprovou a nomeação de Paulo Vieira, rejeitada em votação anterior?

24. Acha que são culpados?

25. Por que comunicou à imprensa, por meio de um diretor do Instituto Lula, que não comentaria o episódio por considerá-lo “assunto pessoal”?

26. Por que Rose se apresentava como “namorada do presidente”?

27. Se teve o nome usado indevidamente, por que não processou Rosemary Noronha?

28. Conversou com Rose nos últimos 100 dias?

29. Por que Rose tinha direito ao uso de cartão corporativo?

30. Por que foram mantidos em sigilo os pagamentos feitos por Rose com o cartão corporativo ?

31. Autorizou a inclusão, na decoração do escritório da Presidência em São Paulo, da foto em tamanho família em que aparece simulando a cobrança de um pênalti?

32. O blog do deputado federal Anthony Garotinho afirmou que Rose embarcou para Portugal com 25 milhões de euros. Se a denúncia é improcedente, por que não processa quem a divulgou?

33. Como se comunicava com Rose? Por telefone? Trocavam emails?

34. Era previamente informado por Rose das reuniões que promoveria no escritório da presidência?

35. Depois das reuniões, era informado por Rose do que fora discutido e decidido?

36. Por que, mais uma vez, alegou ter sido “traído”? Quem o traiu?

37. Se pudesse recuar no tempo, faria tudo de novo?

38. Não se arrepende de nada?

39. Não se envergonha de nada?

40. Que história contou em casa?

Está convidado a preencher o espaço que quiser, com respostas a essas perguntas. Todas serão publicadas na íntegra.

Há dias, Lula acusou a imprensa de negar-lhe o espaço que merece.

Coragem, Lula!


Fonte: Direto ao Ponto (Jornalista: Augusto Nunes)


http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/06/faz-100-dias-que-lula-afronta-o-brasil.html

domingo, 9 de junho de 2013

FRASE DE 1920

Frase da filósofa russo-americana Ayn Rand (fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920), mostrando uma visão com conhecimento de causa:

Ayn Rand
"Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, muito mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então você poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada".


http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/06/frase-de-1920.html

sábado, 1 de junho de 2013

Brasil fica em penúltimo em ranking de educação

 

Tomasz-Trojanowski-Fotolia_01

Foto: (Tomasz Trojanowski/Fotolia)

Segundo pesquisa, Brasil fica em penúltimo lugar em ranking mundial de educação.

Brasil ficou em penúltimo lugar no ranking mundial de educação realizado pela Economist Intelligence Unit (EIU) e publicado pela Pearson.

Dentre os 39 países e a região de Hong Kong estudados, o Brasil ficou somente na frente da Indonésia. O país que atingiu o topo do ranking foi a Finlândia, seguido da Coreia do Sul e de Hong Kong, na China.

O índice global faz parte de um programa de análise quantitativa e qualitativa chamado The Learning Curve (Curva de aprendizado), relatório de 2012. Para o ranqueamento, duas variáveis foram usadas: habilidades cognitivas e níveis de escolaridade.

As habilidades cognitivas englobam leitura, matemática e ciência. São analisadas mediante diversos meios como o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), Tendências Internacionais do Estudo de Matemática de Ciência (TIMSS), e Progresso Internacional do Estudo da Literatura (PIRLS).

Os níveis de escolaridade são analisados mediante taxas de alfabetização e pós-graduação.

A entidade aponta para a importância da autonomia de cada escola. “Os sistemas de ensino são locais, assim também são os seus problemas e soluções”, disse o professor Eric Hanuchek, da universidade de Standford, sobre a pesquisa. O professor afirma que cada país tem seu próprio sistema, e que é difícil pegar uma especificidade e aplicá-la em outro lugar qualquer. Segundo a organização, “existem diversos caminhos para o sucesso”.

No entanto, o presidente do programa, Dr. Chester Finn, do Thomas Fordham Institute, analisa os sistemas educacionais de alto desempenho e dá uma visão universal dos fatores que geram resultados positivos. Ele diz que as semelhanças estão na competência dos professores, na solidez do currículo e em uma cultura que apoia o espírito educativo, segundo a Pearson.

Assim, os assuntos locais têm grande contribuição, mas as características universais são de elevada importância.

O relatório faz um apelo para que mais pesquisas ligadas à educação mundial sejam realizadas. As informações básicas podem ser obtidas mediante análise de testes padronizados que incorporam uma ampla gama de habilidades, e outros meios capazes de comparar os diferentes sistemas educacionais dos vários países.

A dificuldade, no entanto, encontra-se na maneira de avaliar a influência de cada cultura na educação de cada país. “A educação continua a ser uma arte, e muito do que gera qualidade é difícil de quantificar”, afirma a pesquisa.

Veja a pesquisa aqui: http://thelearningcurve.pearson.com/index/index-ranking/overall-score-lowest


Autor: Joana Ferreira (http://www.epochtimes.com.br/brasil-fica-em-penultimo-em-ranking-de-educacao/)

http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/06/brasil-fica-em-penultimo-em-ranking-de.html

quarta-feira, 29 de maio de 2013

NÓS ESTAMOS CONVOCANDO VOCÊ!

convocaçãoconvocação1 


Abaixo assinado de apoio ao registro do PARTIDO FEDERALISTA (não é filiação)

Nome:

Cidade onde vota: Estado:

Tit. Eleitor nº: Zona: Seção:

Endereço: Cep:

e-mail: Fones:

Assinatura:

(Endereço, fone e e-mail opcionais – assine conforme RG – pode ser preenchido sem titulo eleitor, temos o número

Favor enviar para Al. Princesa Izabel 2755-B - Curitiba/PR - 80730-080

Abaixo assinado de apoio ao registro do PARTIDO FEDERALISTA (não é filiação)

Nome:

Cidade onde vota: Estado:

Tit. Eleitor nº: Zona: Seção:

Endereço: Cep:

e-mail: Fones:

Assinatura:

(Endereço, fone e e-mail opcionais – assine conforme RG) – pode ser preenchido sem titulo eleitor, temos o número

Favor enviar para Al. Princesa Izabel 2755-B - Curitiba/PR - 80730-080

Abaixo assinado de apoio ao registro do PARTIDO FEDERALISTA (não é filiação)

Nome:

Cidade onde vota: Estado:

Tit. Eleitor nº: Zona: Seção:

Endereço: Cep:

e-mail: Fones:

Assinatura:

(Endereço, fone e e-mail opcionais – assine conforme RG) – pode ser preenchido sem titulo eleitor, temos o número

Favor enviar para Al. Princesa Izabel 2755-B - Curitiba/PR - 80730-080

Abaixo assinado de apoio ao registro do PARTIDO FEDERALISTA (não é filiação)

Nome:

Cidade onde vota: Estado:

Tit. Eleitor nº: Zona: Seção:

Endereço: Cep:

e-mail: Fones:

Assinatura:

(Endereço, fone e e-mail opcionais – assine conforme RG) – pode ser preenchido sem titulo eleitor, temos o número

Favor enviar para Al. Princesa Izabel 2755-B - Curitiba/PR - 80730-080

Abaixo assinado de apoio ao registro do PARTIDO FEDERALISTA (não é filiação)

Nome:

Cidade onde vota: Estado:

Tit. Eleitor nº: Zona: Seção:

Endereço: Cep:

e-mail: Fones:

Assinatura:

(Endereço, fone e e-mail opcionais – assine conforme RG) – pode ser preenchido sem titulo eleitor, temos o número

Favor enviar para Al. Princesa Izabel 2755-B - Curitiba/PR - 80730-080

quinta-feira, 23 de maio de 2013

O risco bolivariano

bandeira pt foice e martelo Não existem mais valores objetivos, ninguém pode julgar nada, vale tudo, e quem discorda sofre de preconceito e é moralista

    Com petistas, todo cuidado é pouco. O país assistiu, nos últimos dias, a uma tentativa escancarada de ataque à democracia. Enquanto artistas da esquerda caviar protestavam contra o pastor Feliciano, dando beijos uns nos outros, os “mensaleiros” da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) tentavam usurpar o poder do STF à surdina. Montesquieu ficaria horrorizado com tanto descaso à divisão entre os poderes.

    A autoria da proposta de emenda constitucional aprovada é de Nazareno Fonteles, deputado petista pelo Piauí. Não é sua primeira proposta absurda. Em 2004, ele apresentou um projeto de lei complementar que estabeleceria uma “poupança fraterna”. Puro eufemismo: tratava-se de uma medida avançada rumo ao socialismo.

    O artigo primeiro dizia: “Fica criado o Limite Máximo de Consumo, valor máximo que cada pessoa física residente no País poderá utilizar, mensalmente, para custear sua vida e as de seus dependentes.” Acima desse valor arbitrário definido pelo governo, a renda seria confiscada para essa poupança compulsória coletiva. Uma bizarrice que nos remete ao modelo cubano.

    É realmente espantoso que, em pleno século 21, ainda tenhamos que combater uma ideologia tão nefasta quanto o socialismo, que deixou um rastro de escravidão, morte e miséria por onde passou. Mas uma ala petista, com outros partidos da esquerda radical, ainda sonha com essa utopia assassina. Tanto que chegaram a assinar carta de apoio ao ditador coreano!

    São os nossos “bolivarianos”, que se inspiram no falecido Hugo Chávez, cujo “socialismo do século 21”é exatamente igual ao do século 20. Vide a militarização crescente imposta por Maduro, o herdeiro do caudilho venezuelano, assim como a inflação fora de controle e o aumento da violência. Socialismo sempre estará associado ao caos social e à opressão.

    Países que já sofreram na pele com esse regime não querem mais saber de partidos ostentando tal ideologia. A Hungria, seguindo outros países do Leste Europeu, acaba de vetar símbolos nazistas e comunistas. Não há por que proibir a suástica e permitir a foice com o martelo. Ambos representam regimes assassinos, totalitários, antidemocráticos.

    Se o socialismo é o mesmo de sempre, a tática para chegar a ele mudou. Hoje, os socialistas tentam destruir a democracia de dentro, ruindo seus pilares, mas mantendo as aparências. Eles aparelham toda a máquina estatal, infiltram-se em todos os lugares, e partem para uma verdadeira revolução cultural, sustentada pelo relativismo moral exacerbado.

    Não existem mais valores objetivos, ninguém pode julgar nada, vale tudo, e quem discorda sofre de preconceito e é moralista. Com essa agenda politicamente correta, os socialistas modernos vão impondo uma mentalidade fascista que, em nome da “tolerância” e da “diversidade”, não tolera divergência alguma.

    Triste é ver que alguns homossexuais aderem a esse movimento, ignorando que o socialismo sempre perseguiu os gays. Chega a ser cômico ver o deputado Jean Wyllys usando boina no estilo Che Guevara, um facínora que achava que os gays tinham de ser “curados” em campo de trabalho forçado.

    Como não temos uma oposição política organizada que valha o nome, resta como obstáculo a esse golpe bolivariano basicamente a força de quatro instituições: família, igreja, imprensa e Judiciário. Não por acaso são esses os principais alvos dos golpistas. Eles sempre menosprezam o núcleo familiar tradicional, atacam ou se infiltram nas igrejas (vide a Teologia da Libertação ou a própria CNBB), insistem no “controle social” da imprensa, e desejam diluir o poder do Ministério Público e do STF.

    Há até mesmo uns dois ali que mais parecem petistas disfarçados de ministros. Não é exclusividade latino-americana tentar ir por esse caminho. Roosevelt tentou expandir a quantidade de ministros da Suprema Corte para diluir a oposição ao seu “New Deal”, claramente inconstitucional. Mas as instituições americanas são mais resistentes e suportaram o golpe. Na América Latina, infelizmente, há terreno mais fértil para populistas autoritários.

    Nesse ambiente, os defensores da liberdade e da democracia não podem cochilar jamais. É preciso tomar cuidado com as cortinas de fumaça criadas para esconder o jogo sujo dos bastidores. Foi marcante, por exemplo, a discrepância entre a reação histérica ao pastor Feliciano, e a postura negligente com os “mensaleiros” na CCJ. Estranhas prioridades.

    Nossa liberdade corre sério perigo, e seus principais inimigos são os jacobinos disfarçados de democratas. Acorda, Brasil!

    Rodrigo Constantino é economista

    http://rodrigoconstantino.blogspot.com.br/2013/04/o-risco-bolivariano.html

    http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/05/o-risco-bolivariano.html

    sábado, 27 de abril de 2013

    Brasil cai 25 posições em ranking mundial de crescimento econômico

    pib mundial

      O Brasil caiu 25 posições em um ranking que mede o ritmo de crescimento do PIB (produto interno bruto) de 166 países, elaborado com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI).

      Com uma expansão de apenas 0,9% na economia no ano passado, o país ficou em 128º lugar. Em 2011, estava em 103º, após uma alta de 2,7% no PIB.

      Nos últimos 20 anos, somente três vezes o Brasil esteve em uma colocação pior do que a atual: em 1998 (quando ficou em 141º lugar), em 1999 (138º) e em 2003 (141º).

      O ranking considerou apenas os países que forneceram os dados para todo o período examinado (1993 a 2012). Os números se referem ao crescimento econômico real, ou seja, descontada a inflação.

      Com esta postagem, o blog Achados Econômicos inicia a série “O Brasil no Mundo”, em que analisará nos próximos dias os indicadores econômicos de mais de 100 países, com base no banco de dados do FMI, que foi atualizado na semana passada.

      Nessas duas décadas, o melhor momento foi em 2010, quando a economia nacional avançou 7,5% e alcançou a 31ª posição. Naquele ano, o crescimento foi superior ao de importantes países emergentes, como Coreia do Sul, Chile, México e Rússia.

      Ranking 2012

      A economia que mais cresceu no mundo em 2012 foi a da Líbia, com alta de 104,5%. No entanto, deve-se fazer a ressalva de que países em guerra civil ou com grande instabilidade política costumam ter fortes variações no PIB, para cima ou para baixo. Esse crescimento da Líbia, por exemplo, veio depois de a economia encolher simplesmente 62% em 2011.

      Na lanterninha do ranking de 2012 aparece a Grécia, que, depois de dar calote nos investidores e adotar um sofrido aperto fiscal, viu sua economia encolher 6,4%. Foi a quinta retração seguida no PIB grego, que acumula queda de 20% desde 2008.

      Mundo

      No ano passado, o desempenho do Brasil ficou abaixo da média não só da América Latina e do mundo, como também do G-7 (o grupo dos países mais industrializados), o que não ocorria desde 2003.

      pibmundial1

      A variação do PIB de um ano para o outro é importante porque retrata um momento específico.

      Para enxergar as tendências de longo prazo, no entanto, o melhor é usar médias de períodos maiores. O gráfico abaixo mostra que, nos dez anos encerrados em 1993, o PIB brasileiro cresceu a uma média de 2,8% ao ano, um número inferior ao verificado no restante do mundo.

      pibmundial2

      Nos anos seguintes, a economia foi perdendo força até 1999, quando o país teve um desempenho muito pior do que a média dos demais. Houve um salto em 2000, seguido por um período de estabilidade. A partir de 2006, o PIB nacional passou a crescer com mais força, até alcançar a média mundial em 2011. No ano seguinte, voltou a se descolar dos demais países.

      Dito de outro modo, o gráfico mostra que, apesar do “pibinho” do ano passado, no acumulado dos últimos dez anos ainda estamos bem melhor do que os países ricos. Porém, voltamos a crescer menos que a América Latina e do que a média do mundo.

      Fonte, Sílvio Guedes Crespo: http://achadoseconomicos.blogosfera.uol.com.br/2013/04/23/brasil-cai-25-posicoes-em-ranking-mundial-de-crescimento-economico/


      http://nacaofederalista.blogspot.com.br/2013/04/brasil-cai-25-posicoes-em-ranking.html

      Judiciário - Um Poder de costas para o País

      Essa matéria foi publicada em 27/09/2011, mas como continua ATUAL e muita coisa não mudou de lá para cá, resolvi republicar.


      tjd

      A Justiça no Brasil vai mal, muito mal. Porém, de acordo com o relatório de atividades do Supremo Tribunal Federal de 2010, tudo vai muito bem. Nas 80 páginas – parte delas em branco – recheadas de fotografias (como uma revista de consultório médico), gráficos coloridos e frases vazias, o leitor fica com a impressão que o STF é um exemplo de eficiência, presteza e defesa da cidadania. Neste terreno de enganos, ficamos sabendo que um dos gabinetes (que tem milhares de processos parados, aguardando encaminhamento) recebeu “pela excelência dos serviços prestados” o certificado ISO 9001. E há até informações futebolísticas: o relatório informa que o ministro Marco Aurélio é flamenguista.

      tjd-1

      A leitura do documento é chocante. Descreve até uma diplomacia judiciária para justificar os passeios dos ministros à Europa e aos Estados Unidos. Ou, como prefere o relatório, as viagens possibilitaram “uma proveitosa troca de opiniões sobre o trabalho cotidiano.” Custosas, muito custosas, estas trocas de opiniões. Pena que a diplomacia judiciária não é exercida internamente. Pena. Basta citar o assassinato da juíza Patrícia Acioli, de São Gonçalo. Nenhum ministro do STF, muito menos o seu presidente, foi ao velório ou ao enterro. Sequer foi feita uma declaração formal em nome da instituição. Nada. Silêncio absoluto. Por que? E a triste ironia: a juíza foi assassinada em 11 de agosto, data comemorativa do nascimento dos cursos jurídicos no Brasil.

      Mas, se o STF se omitiu sobre o cruel assassinato da juíza, o mesmo não o fez quando o assunto foi o aumento salarial do Judiciário. Seu presidente da época, Cézar Peluso, ocupou seu tempo defendendo – como um líder sindical de toga – o abusivo aumento salarial para o Judiciário Federal. Considera ético e moral coagir o Executivo a aumentar as despesas em R$ 8,3 bilhões. A proposta do aumento salarial é um escárnio. É um prêmio à paralisia do STF, onde processos chegam a permanecer décadas sem qualquer decisão. A lentidão decisória do Supremo não pode ser imputada à falta de funcionários. De acordo com os dados disponibilizados, o tribunal tem 1.096 cargos efetivos e mais 578 cargos comissionados. Portanto, são 1.674 funcionários, isto somente para um tribunal com 11 juízes.

      Mas, também de acordo com dados fornecidos pelo próprio STF, 1.148 postos de trabalho são terceirizados, perfazendo um total de 2.822 funcionários. Assim, o tribunal tem a incrível média de 256 funcionários por ministro. Ficam no ar várias perguntas: como abrigar os quase 3 mil funcionários no prédio-sede e nos anexos? Cabe todo mundo? Ou será preciso aumentar os salários com algum adicional de insalubridade?

      Causa estupor o número de seguranças entre os funcionários terceirizados. São 435! O leitor não se enganou: são 435. Nem na Casa Branca tem tanto segurança. Será que o STF está sendo ameaçado e não sabemos? Parte destes vigilantes é de seguranças pessoais de ministros. Só o então presidente Cézar Peluso tinha 9 homens para protegê-lo em São Paulo (fora os de Brasília). Não é uma exceção: Ricardo Lewandovski tem 8 exercendo a mesma função em São Paulo.

      Mas os números continuam impressionando. Somente entre as funcionárias terceirizadas, estão registradas 239 recepcionistas. Com toda a certeza, é o tribunal que melhor recebe as pessoas em todo mundo. Será que são necessárias mais de duas centenas de recepcionistas para o STF cumprir suas tarefas rotineiras? Não é mais um abuso? Ah, abuso é que não falta naquela Corte. Só de assistência médica e odontológica o tribunal gastou em 2010, R$ 16 milhões. O orçamento total do STF foi de R$ 518 milhões, dos quais R$ 315 milhões somente para o pagamento de salários.

      Falando em relatório, chama a atenção o número de fotografias onde está presente Cézar Peluso. No momento da leitura recordei o comentário de Nélson Rodrigues sobre Pedro Bloch. O motivo foi uma entrevista para a revista “Manchete”. O maior teatrólogo brasileiro ironizou o colega: “Ninguém ama tanto Pedro Bloch como o próprio Pedro Bloch.Peluso é o Bloch da vez. Deve gostar muito de si mesmo. São 12 fotos, parte delas de página inteira. Os outros ministros aparecem em uma ou duas fotos. Ele, não. Reservou para si uma dúzia de fotos, a última cercado por crianças. A egolatria chega ao ponto de, ao apresentar a página do STF na intranet, também ter reproduzida uma foto sua acompanhada de uma frase (irônica?) destacando que o “a experiência do Judiciário brasileiro tem importância mundial”.

      Eu me amo...

      No relatório já citado, o ministro Peluso escreveu algumas linhas, logo na introdução, explicando a importância das atividades do tribunal. E concluiu, numa linguagem confusa, que “a sociedade confia na Corte Suprema de seu País. Fazer melhor, a cada dia, ainda que em pequenos mas significativos passos, é nossa responsabilidade, nosso dever e nosso empenho permanente”. Se Bussunda estivesse vivo poderia retrucar com aquele bordão inesquecível: “Fala sério, ministro!”.

      As mazelas do STF têm raízes na crise das instituições da jovem democracia brasileira. Se os 3 Poderes da República têm sérios problemas de funcionamento, é inegável que o Judiciário é o pior deles. E deveria ser o mais importante. Ninguém entende o seu funcionamento. É lento e caro. Seus membros buscam privilégios, e não a austeridade. Confundem independência entre os poderes com autonomia para fazer o que bem entendem. Estão de costas para o país. No fundo, desprezam as insistentes cobranças por justiça. Consideram uma intromissão.


      Fonte: O Globo - Por Marco Antonio Villa


      http://padilhalauro.blogspot.com.br/2013/04/judiciario-um-poder-de-costas-para-o.html